Apresentação

Caros leitores, esse blog foi criado com intuito de compartilhar informações sobre: Contabilidade, Gestão financeira, Auditoria, Economia, Controladoria e Empreendedorismo.

sábado, 24 de junho de 2017

Artigo: Relações com investidores e assimetria informacional.

   
Empresas investem volumes significativos de recursos em departamentos de relações com investidores (RI). Os profissionais atuantes no departamento de RI são responsáveis pela comunicação da empresa com o mercado, de modo que a informação gerada seja amplamente difundida e entendida pelos investidores. Nesse contexto, esta pesquisa tem por objetivo investigar se há indícios de que a atividade de RI diminui a assimetria informacional entre a empresa e o mercado. Especificamente, avalia-se a hipótese de empresas brasileiras com websites de RI classificados como mais informativos terem seu bid-ask spread (proxy de assimetria) reduzido. Para tanto, este trabalho classifica o conteúdo informativo dos websites de RI das empresas brasileiras para os anos de 2013 e 2014 e relaciona o resultado obtido com métricas de assimetria informacional. Inicialmente, a estimação considera o modelo de mínimos quadrados ordinários agrupados [pooled ordinary least squares (POLS)] e, em um segundo momento, visando a mitigar potenciais problemas de endogeneidade, utiliza-se o modelo de 2SLS agrupados [pooled two-stage least squares (2SLS)]. Os resultados indicam que websites de RI mais informativos são capazes de diminuir o bid-ask spread das empresas brasileiras cotadas em bolsa de valores. Esse achado fornece fortes incentivos para as empresas disponibilizarem informações às partes interessadas em websites próprios e bem estruturados de RI.

Autores:
RODRIGUES, Sandrielem da Silva  e 
GALDI, Fernando Caio.

Veja
http://www.scielo.br/pdf/rcf/v28n74/pt_1808-057X-rcf-1808-057x201703630.pdf

Artigo: Poder preditivo do desempenho de fundos brasileiros de ações a partir do R2 como medida do grau de seletividade.

         
Este trabalho investigou o impacto do grau de seletividade dos fundos em sua performance por meio de uma metodologia pioneiramente (até onde foi verificado) aplicada no mercado brasileiro. Como indicador do grau de atividade do fundo, propusemos o coeficiente de determinação (R2) da regressão de seus retornos sobre os retornos de mercado. Foram avaliados 867 fundos de ações brasileiros no período de novembro de 2004 a outubro de 2014. Foi testada a hipótese de que fundos mais seletivos apresentariam melhores retornos para compensar seus custos mais elevados. Essa hipótese foi confirmada no mercado brasileiro. A avaliação foi feita pela subdivisão da amostra em portfólios igualmente ponderados, de acordo com o R2 e alfas históricos dos fundos, com rebalanceamento mensal e janelas móveis de 12 meses. O portfólio construído por fundos mais seletivos obteve índice Sharpe de 0,0494, em base mensal, e aquele composto por fundos menos seletivos registrou um índice de -0,0314. A performance foi superior também na avaliação pelo excesso de retorno, pelo alfa de Jensen e pelo retorno acumulado, e na comparação com portfólios formados por fundos selecionados aleatoriamente. Além disso, a performance passada (medida pelo alfa de Jensen) também se mostrou um preditor de performance. Em particular, o portfólio formado por fundos com menor R2 e maior alfa históricos apresentou índice Sharpe de 0,1483 e alfa de Jensen (significativo a 1%) de 0,87%, enquanto aquele formado por fundos com menor grau de atividade e menor alfa histórico obteve índice Sharpe de -0,0673 e alfa de Jensen (significativo a 1%) de -0,32%.

Autor
GUZELLA, Marcelo dos Santos e 
CAMPANI, Carlos Heitor

Veja
http://www.scielo.br/pdf/rcf/v28n74/pt_1808-057X-rcf-1808-057x201703590.pdf


Artigo: Satisfação dos professores de Contabilidade no Brasil

                      
A proposta deste trabalho foi identificar a predominância de satisfação dos professores de Contabilidade no Brasil ao longo da sua trajetória profissional. A pesquisa classifica-se como descritiva e utilizou abordagem quantitativa para análise dos dados. Obtiveram-se 641 respostas válidas de docentes de todas as regiões do Brasil. Os resultados evidenciam que o sentimento de satisfação predomina nos docentes dos cursos de Ciências Contábeis, pois a maioria dos docentes “gosta da profissão” e, em geral, “sente-se satisfeita com a profissão”. Identificou-se que os níveis de satisfação são maiores entre os indivíduos com mais tempo de experiência, de forma que, nos primeiros anos no trabalho (um a três anos), os docentes têm menores índices de satisfação; já na última fase (acima de 35 anos), estão concentrados os maiores níveis de satisfação. O fator que mais impulsiona a satisfação é a realização pessoal (trabalho docente e relação com os alunos). Também foi possível identificar que sentimentos positivos em relação à docência predominam (67,3%) quando comparados aos negativos (32,7%). Esses resultados mostram a necessidade de maior atenção nos primeiros anos da carreira a fim de ser evitado o “choque de realidade” e também a necessidade de outros estudos que investiguem como se caracterizam as fases do ciclo de vida do professor de Contabilidade.

ARAUJO, Tamires Sousa;
MIRANDA, Gilberto José  e 
PEREIRA, Janser Moura.

Veja:

http://www.scielo.br/pdf/rcf/v28n74/pt_1808-057X-rcf-28-74-00264.pdf

Vídeo: Inteligencia Competitiva - Eugenio Mussak


sexta-feira, 2 de junho de 2017

Artigo: A divulgação voluntária e o gerenciamento de resultados contábeis_ evidências no mercado de capitais brasileiro.

                                    
Este estudo examina a associação entre a divulgação voluntária de informações econômicas e financeiras e o gerenciamento dos resultados contábeis. Os argumentos delineados sobre o tema partem do pressuposto de que uma política de divulgação voluntária consistente pode coibir o gerenciamento de resultados. A análise é conduzida em uma amostra aleatória de 66 empresas brasileiras de capital aberto não financeiras no período de 2005 a 2012. Para medir a divulgação voluntária, usa-se o índice proposto por Consoni e Colauto (2016). Como proxy para gerenciamento de resultados, foram utilizados accruals discricionários (AD) estimados com base no modelo de Dechow, Sloan e Sweeney (1995). A relação entre essas variáveis é analisada usando-se o modelo de equações simultâneas e o método de regressão de dados em painel com efeitos aleatórios. Esperava-se, a priori, uma relação negativa e significativa; no entanto o resultado principal do estudo indica que a divulgação voluntária e o gerenciamento de resultados não são simultaneamente determinados ou associados. Embora os resultados obtidos contradigam alguns pressupostos teóricos, existem explicações alternativas para esse resultado. Primeiro, o conjunto de evidências empíricas nessa pesquisa, além daqueles de estudos anteriores, deve ser interpretado com cautela, já que não há consenso em relação às variáveis de divulgação voluntária e gerenciamento de resultados contábeis. Segundo, várias empresas no Brasil podem não ter interesse em fornecer uma divulgação voluntária de alta qualidade porque grande parte dos seus acionistas usufrui de benefícios privados de controle. Essa situação reduz a importância da potencial demanda de mercado por informação, estratifica a assimetria de informação e não impede o gerenciamento de resultados.
 
Autores:
CONSONI, Silvia;
COLAUTO, Romualdo Douglas  e 
LIMA, Gerlando Augusto Sampaio Franco de.
 
Veja:

Artigo: Efeitos do comitê de auditoria e do conselho fiscal na qualidade da informação contábil no Brasil.

        Conselho de Administração
Este estudo avalia os efeitos do comitê de auditoria e do conselho fiscal com suas diferentes características na qualidade da informação contábil no Brasil. As proxies da qualidade da informação contábil utilizadas são: relevância da informação contábil, tempestividade e conservadorismo condicional. A amostra é composta por companhias abertas brasileiras listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA) com liquidez anual superior a 0,001 no período de 2010 a 2013. Os dados foram coletados na base de dados Comdinheiro e nos Formulários de Referência das empresas disponíveis no sítio eletrônico da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou da BM&FBOVESPA. As amostras utilizadas no estudo totalizam 718, 688 e 722 observações para os modelos de relevância, tempestividade e conservadorismo, respectivamente. Os resultados indicam que diferentes arranjos do conselho fiscal e a existência do comitê de auditoria impactam diferentemente as propriedades da informação contábil. A presença do conselho fiscal impactou positivamente a relevância do patrimônio líquido, enquanto a presença do comitê de auditoria, a relevância do lucro. O conservadorismo condicional foi evidenciado no grupo de empresas com conselho fiscal permanente, demonstrando que este tem importância como mecanismo de governança, ao invés da instalação para funcionamento temporário quando solicitado por acionistas em assembleia geral ordinária. A presença de ambos apresentou lucros relevantes para o mercado, mas não tempestivos, o que expõe restrição à relevância encontrada. Por fim, o conselho fiscal turbinado apresentou associação positiva somente na relevância do patrimônio líquido.
 
Autores:
BAIOCO, Vitor Gomes  e 
ALMEIDA, José Elias Feres de. 
 
Veja:

Artigo: Complexidade e governança corporativa_ uma análise das empresas listadas na BM&FBOVESPA

                       
Diante da necessidade de se criarem mecanismos de controle, proteção e transparência sobre as relações entre o principal e o agente, buscando eliminar ou reduzir o conflito de agência, surgiu a governança corporativa. À luz da Teoria da Agência, a separação das atividades de propriedade e controle é oriunda da complexidade das próprias organizações. Nesse contexto, o estudo tem como objetivo analisar a relação entre as dimensões da complexidade e a governança nas empresas listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA), em que os fatores contingenciais podem influenciar as características organizacionais. A investigação reúne dados amostrais de 162 empresas listadas na BM&FBOVESPA. Para a análise dos dados, foram empregados os seguintes testes estatísticos: Análise Fatorial, Regressão Linear Múltipla, Análise de Correspondência e Análise de Correlação. Para a mensuração da complexidade, são adotadas em conjunto as variáveis contingenciais idade, tamanho, diversificação e internacionalização; e, para examinar a governança corporativa, utiliza-se um índice representativo da adoção de boas práticas de governança. Os resultados apontaram que a complexidade organizacional é explicada pelas variáveis tamanho e diversificação, enquanto a complexidade das operações pode ser observada por tamanho, diversificação e internacionalização. Constatou-se que, nas duas dimensões da complexidade - organizacional e das operações -, a governança corporativa sofreu influência das variáveis diversificação, internacionalização e idade, sendo esta última em relação inversa. Conclui-se, pois, que as empresas de mais complexidade, nas duas dimensões, registram índices de governança corporativa mais elevados, confirmando-se a hipótese da pesquisa.
 
Autores:
ASSUNCAO, Renata Rouquayrol;
LUCA, Márcia Martins Mendes De  e 
VASCONCELOS, Alessandra Carvalho de.
 
Veja:

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Artigo: Conservadorismo incondicional nas companhias abertas brasileiras e o contexto da neutralidade tributária

                                           neutralidade
A Lei nº 11.638/2007 (Brasil, 2007) legitimou o processo de adoção das International Financial Reporting Standards (IFRS) no Brasil e introduziu um regime contábil desvinculado da finalidade tributária no país. Dentre os objetivos da referida lei estão a redução da influência da legislação fiscal nas normas contábeis e a melhora na qualidade do reporte financeiro, uma vez que as IFRS são consideradas normas de qualidade superior. A literatura internacional apresenta evidências de redução no poder informativo dos lucros em ambientes nos quais normas contábeis e tributárias estão fortemente vinculadas. Ademais, a influência da legislação fiscal sobre a contabilidade financeira é apontada como incentivo ao conservadorismo incondicional, viés que não apresenta vantagens à eficiência dos mercados financeiros. Assim, infere-se que a neutralidade tributária pode proporcionar um ambiente institucional mais favorável ao reporte financeiro de qualidade ao desvincular a contabilidade societária da contabilidade fiscal. Diante do exposto, o presente artigo tem o objetivo de verificar se o advento da neutralidade tributária influencia o conservadorismo incondicional nas companhias abertas brasileiras. A metodologia utilizada envolve regressões para dados em painel. A amostra é composta por companhias não financeiras de capital aberto com informações divulgadas na Economatica® no período de 2002 a 2014. Os resultados evidenciam diferenças na relação entre tributação e reporte financeiro entre firmas sujeitas a diferentes graus de monitoramento no mercado acionário brasileiro. São encontrados indícios de conservadorismo incondicional em empresas sujeitas a maior monitoramento de mercado, apenas. Neste grupo, observa-se que a tributação não induz o conservadorismo incondicional nos lucros divulgados, o que é esperado em um contexto de neutralidade tributária.
 
Autores:
VALE, Juliana Pinhata Sanches do  e 
NAKAO, Sílvio Hiroshi.
 
 
Veja:

Artigo: Influência do board interlocking no gerenciamento de resultados

                        
A participação de um conselheiro em mais de um conselho de administração é denominada de board interlocking. Tal fenômeno contribui para a disseminação de práticas gerenciais e de governança, a partir do compartilhamento de conhecimentos e experiências dos conselheiros em outros conselhos. Assim, um conselheiro poderia “levar” práticas de gerenciamento de resultados presentes em uma empresa para outra da qual faça parte do conselho. Presume-se que quanto maior for sua conexão, direta ou indireta, em conselhos, maior pode ser o compartilhamento de informações, sobretudo que possam refletir na qualidade do resultado das empresas. Diante do exposto, o objetivo deste estudo é verificar a influência do board interlocking no gerenciamento de resultados das empresas listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA). A pesquisa caracteriza-se como descritiva, quantitativa e documental, com uma amostra composta por empresas listadas na BM&FBOVESPA no período de 2011-2013. Para o gerenciamento de resultados utilizou-se o modelo de Kang e Sivaramakrishnan (1995), enquanto que para o interlocking utilizaram-se as medidas de centralidade de grau, para conexões diretas de conselheiros, e centralidade de intermediação, para conexões indiretas. Os resultados indicam que o gerenciamento de resultados é influenciado pelo interlocking dos membros do conselho de administração. Conclui-se que quanto maior a centralidade de grau, maior o gerenciamento positivo de resultados, bem como variações dos accruals positivos e negativos são influenciadas pela intermediação dos membros do conselho de administração. Os resultados reforçam que o comportamento de gerenciamento de resultados pode ser transmitido entre empresas por meio dos membros que compõem seus conselhos de administração.

Autores:
Cunha, Paulo Roberto da;
Piccoli, Marcio Roberto

Veja:
http://www.scielo.br/pdf/rcf/v28n74/pt_1808-057X-rcf-1808-057x201701980.pdf

AVISO

As imagens publicadas nesse blog são capturadas nos sites de busca de imagens. O intuito é vincular as imagens com o texto postado - Isso facilita a sua compreensão. Se você se sentir incomodado com a publicação de alguma imagem feita (por você ou por sua instituição), basta solicitar que a retirada é feita imediatamente - ou se preferir adiciono os créditos conforme for solicitado. O uso das imagens neste blog não tem fins comerciais, mas meramente ilustrativo.



Loading...

Lista de postagens por assunto

Arquivo do blog